Mosteiro das Sete Formas, 27 de Calistril de 4586 AR


– Inspire fundo, senhora. Agora, faça força.

A jovem ofegou e contorceu-se. A palidez tomara-lhe o rosto, enquanto as gotas de suor escorriam pela fronte e deslizavam até ao queixo, misturando-se, no caminho, com as lágrimas. Fechou os olhos e crispou as mãos nos lençóis, antes de obedecer à parteira.

Uma imensa onda de dor percorreu-lhe o corpo, arrancando-lhe um grito abafado. Sentiu algo entre as pernas. Não lhe parecia que fossem as mãos da parteira.

– Mais força, não pare agora. Coragem!

Com dificuldade, inspirou fundo. Era como se alguém lhe estivesse a roubar o ar, e com ele a pouca energia que lhe restava.

Desta vez o grito foi menos controlado, quando todo o corpo se contraiu com uma força que pensava já não existir em si. E, por fim, algo acabou por deslizar do seu interior.

Apoiada nos cotovelos trémulos, resistindo a não deixar cair o dorso na cama, tentou ver por cima dos joelhos dobrados. Alguém pusera um tecido sobre eles, que a impedia de ver por entre as pernas. A parteira pegara numa tesoura e cortava qualquer coisa.

– O meu… o meu bebé? – murmurou. O tom era fraco, implorativo. – Está… como está?

A parteira ergueu o olhar.

– Senhora Kalëni, agora podeis descansar…

– O meu bebé?! – A jovem soltou um soluço, olhando-a quase com desespero. Era essa a emoção que ainda a mantinha naquela posição, expectante e, ao mesmo tempo, receosa.

A outra mulher não lhe respondeu logo, voltando ao que fazia. Kalëni queria levantar-se e tomar a criança nos braços, queria vê-lo, senti-lo, abraçá-lo, antes de tal se tornar impossível. No entanto tinha noção que, se se mexesse muito mais, o corpo não aguentaria. A própria vista ameaçava faltar-lhe, oscilando entre o límpido e turvo. Na verdade, não tinha sequer certeza se conseguiria manter-se viva.

Ao fim de alguns minutos, viu a parteira sorrir um pouco, com um alívio ténue a amenizar-lhe a expressão.

– É um menino e está vivo – notou, pegando num pequeno ser e embrulhando-o num xaile de lã. O frio do Inverno entrava pelas frestas da cidade subterrânea, tentando gelar as casas. Não muito longe da cama, uma lareira tentava combatê-lo, enquanto iluminava parte do quarto.

Quando o pequeno foi levado até ao seu lado, a jovem espreitou-o, a ânsia apertando-lhe o peito. Apesar do sangue que ainda o manchava, o pequeno rosto, de olhos fechados, era extremamente alvo. Percebia agora a hesitação da parteira. Numa outra criança, talvez passasse por morto. Um ou outro cabelo negro despontava na cabeça e as orelhas com extremidades em ponta era iguais às suas. Um pequeno meio-elfo… o seu pequeno meio-elfo.

Sorriu e deixou-se cair para trás. Inspirou e expirou. As pálpebras ameaçavam fechar-se, porém não lhes permitiu tal. Não ainda. Estendeu os braços trémulos e, com muito cuidado, pegou no filho, encostando-o ao peito. Mordeu o lábio inferior, impedindo-o de tremer. O bebé estava sereno, respirando levemente, não o perturbaria com o seu próprio choro ou com a mágoa que lhe minava o peito. Ele merecia mais do que isso. Deixou um dedo deslizar-lhe pela bochecha, num toque terno. A pele suave oferecia uma estranha frieza, possivelmente herdada do pai.

– O meu pequeno Ayalal – murmurou, oferecendo-lhe um beijo na fronte.

***

Sem comentários:

Enviar um comentário