Mosteiro das Sete Formas, 14 de Rova de 4591 AR (continuação II)


As velas do altar diminuíram de tamanho com o passar do tempo. Quando o pequeno já parecia mais tranquilo, Lysa tirou do bolso um pedaço duro de pão.

– Foi o que consegui arranjar – murmurou, segurando-o à frente do rosto de Ayalal. – Mas ajudará um pouco a passar a noite, espero.

Ele pegou no pão com ambas as mãos, depois de um agradecimento, e mordiscou a côdea. Ficou em silêncio, olhando a comida, enquanto mastigava.

– Lysa, também te vais embora? – acabou por perguntar, sem a olhar.

A jovem piscou os olhos face à pergunta inesperada.

– Embora? Não…

– Mesmo se casares?

– Casar? Eu? – Uma risada tomou-a por um instante, porém acabou a abanar a cabeça em negação. – Ninguém iria querer casar comigo. Não sou propriamente bonita, nem interessante. – Levou uma mão ao rosto, tocando na cicatriz que a queimadura deixara. – Não, de todo.

– Eu casava – ditou Ay, erguendo o olhar para ela, muito sério, e até um pouco ofendido pela falta de autoconfiança. – Se fosse grande. És minha amiga, e eu gosto de ti. E és bonita, sim! De certeza que o mestre Yu concorda comigo. Mas vou perguntar-lhe da próxima vez que o vir.

Lysa tapou a boca com uma mão, abafando uma gargalhada, ao imaginar a cara de Yudarh ao ouvir uma pergunta do género. Esperava que a semideusa Andoletta não se incomodasse com tal comoção junto ao seu altar.

De bochechas insufladas, Ayalal deu uma dentada mais vigorosa no pão.

– Vou perguntar, sim. E não tem piada! – protestou, com um rubor marcado a tomar-lhe a pele pálida do rosto. – Para mim és a pessoa mais bonita do mundo.

– Oh, Ay, desculpa – murmurou, levando uma mão ao rosto e limpando uma lágrima que se formara num dos cantos dos olhos. – É só que… és amoroso.

– Não sou nada – rezingou, voltando o rosto para outro lado, envergonhado.

Lysa riu-se de modo mais controlado e envolveu-o nos braços, puxando-o para o seu colo.

– Se algum dia me for embora daqui, levo-te comigo – garantiu, encostando-o ao peito. – Como é que vivia sem o meu Ay para me proteger dos monstros maus?

A criança fitou-a, desconfiada, e ainda de bochechas inchadas, lembrando-lhe um esquilo a armazenar comida.

– O mestre Yu ainda não me ensinou nada para te proteger – rezingou, depois de engolir o pão que tinha, efectivamente, armazenado nas bochechas. – Ainda não sei magia…

– Um dia saberás – notou, passando-lhe uma mão pelo cabelo negro e prendendo-lhe uma madeixa atrás da orelha. – E serás um feiticeiro poderoso e gentil, que nos protegerá das coisas más. O que te parece?

Com uma certa timidez, Ay estendeu o pão para que Lysa desse também uma dentada, ao que ela acedeu.

– Vou ser isso – disse o pequeno, apesar de não muito confiante. – Um feiticeiro.

Conversaram por mais alguns minutos, até passar já da hora de Ayalal se deitar. Lysa levou-o ao quarto e, ao despedir-se, ofereceu-lhe um beijo de boa noite na fronte. Esperou que ele entrasse e encostasse a porta, antes de se afastar.

A maior parte das crianças já dormiam, tendo-se deitado após o jantar. Se não tivesse a capacidade de ver no escuro, Ay teria tido dificuldade em alcançar a sua enxerga. Andou com cuidado, tentando não fazer barulho, e, ao chegar ao destino, acocorou-se, levando uma mão à almofada, com intenção de tirar a roupa de dormir de sob ela. No entanto, ao tactear o tecido, uma humidade gelada tocou-lhe os dedos. A almofada estava encharcada. Tocou na roupa, na coberta, no lençol… estava tudo molhado.

O pedaço de alegria que Lysa plantara em si há poucos minutos evaporou-se. Ficou estático, olhando para a cama sem realmente a ver, chamando a si os bocadinhos de razão, pensando na amiga e em como ela ficaria desiludida se fosse mau para quem lhe fizera aquilo. Acabou por inspirar fundo e tirou toda a roupa da cama, arrastando-a para fora do quarto, até junto à lareira que ainda ardia na cozinha. Estendeu-a no chão, esperando que o calor a ajudasse a secar e deitou-se ali, encolhido, esperando que o cansaço o embalasse.

***

Sem comentários:

Enviar um comentário