Mosteiro das Sete Formas, 21 de Lamashan de 4592 AR (continuação II)


– Não. – A palavra fugiu-lhe por entre os lábios, sem sequer pensar.

O anjo ergueu as sobrancelhas finas.

– Não tenhas vergonha, querido. – Estendeu-lhe a mão cuja tez ebúrnea parecia quase etérea, ainda assim não era tão pálida quanto a de Ayalal.

O pequeno abanou a cabeça numa negativa e escondeu as mãos atrás das costas. O sorriso de Sëdara estremeceu por um instante.

– Porque não, pequeno? – quis saber, ainda de mão erguida, de palma voltada para cima. – Cuidaria bem de ti, terias o que desejasses, serias feliz. Terias uma família.

– Estais a assustá-lo, senhora.

Ayalal inspirou fundo e desviou o olhar para o seu lado do corredor, por onde Lysa se aproximava, vinda do piso superior. Quando o alcançou, Ay estendeu a mão para agarrar a dela, ancorando-se à sua presença e protecção.

O anjo encarou a recém-chegada e, devagar, endireitou-se. Era cerca de um palmo mais alta, e todo o seu semblante divino lançava uma sombra pesada sobre a simplicidade de Lysa. Porém a jovem encarou-a com firmeza, não permitindo que nada nela a intimidasse.

– Estou? Não era minha intenção – notou e, enquanto falava, os olhos azuis mediam Lysa, tendo especial atenção à cicatriz que lhe manchava parte do rosto. – É uma pena que uma criança assim, especial, não queira vir comigo. Seria bem acolhido e ninguém olharia à sua… proveniência.

A mão pequena de Ay apertou ainda mais a que agarrava.

– Ele não quer ir – frisou Lysa, sendo directa.

O anjo soltou um suspiro e acabou por encolher os ombros, resignada.

– Se assim é… mas ainda estás a tempo de mudar de ideias, pequeno. De ter uma família.

Sem ser Lysa, ninguém parecia disposto a dissuadir Sëdara. Algumas das crianças lançavam, inclusive, olhares de inveja por tamanha insistência.

Ay inspirou fundo, tomando coragem para si.

– A Lysa é a minha família.

Por um instante, os olhos de Sëdara gelaram. O pequeno estremeceu e chegou-se mais para a saia de Lysa, tentando proteger-se. Antes que o anjo pudesse responder àquela declaração, uma voz masculina, vinda da entrada, chamou-a. O frio desapareceu e ela rodou sobre si, atentando o homem que se aproximava.

Ay também o olhou: dentro de um fato de bom corte, era alto, elegante, belo; porém, o pequeno não viu nada disso. Inspirou fundo de forma audível, os olhos arredondando-se. Havia algo errado, algo mau em redor daquele homem. Abanou a cabeça, assustado com o que sentia e era incapaz de compreender.

– Senhora, não podemos demorar-nos mais – disse-lhe. Olhou para Ay, por um momento fugaz, só por se aperceber que era com ele que Sëdara estivera a falar. Ia desviar o olhar, com desinteresse, contudo notou na forma como a criança o olhava e franziu as sobrancelhas.

– Tens razão. Já estava a terminar – notou ela. – Posso levar já os meus filhos, correcto, directora?

– Como tínhamos combinado – disse Drane, olhando os cinco escolhidos.

Myria saltitou no lugar.

– Eu vou buscar a minha boneca!

E preparava-se para partir a correr, quando o recém-chegado a deteve, baixando-se e agarrando-a por um braço.

– Não é necessário. Nós temos muitas bonecas – disse, com um sorriso amável. – Lindas como tu.

A pequenita hesitou, o entusiasmo esmorecendo um pouco.

– Mas a Mimi vai ficar triste se eu a deixar aqui… não posso ir mesmo? Por favor, senhor?

Foi Sëdara quem respondeu, aproximando-se e pousando-lhe a mão na cabeça, numa carícia.

– Nós depois voltamos para buscar a Mimi – garantiu.

As palavras convenceram Myria que se deixou ir à frente, seguindo o homem que viera chamar o anjo, junto com as restantes crianças. Ele não tornou a olhar para trás, porém Sëdara fê-lo, encarando Ayalal. A atenção dele oscilava entre o homem que já desaparecia no corredor, e o anjo.

– Desejo que sejas feliz com a tua família. – Relanceou Lysa, antes de se afastar.

As palavras transmitiam nada mais do que sinceridade, tal como o sorriso angelical. No entanto, Ayalal não conseguia acreditar em nenhum deles.

***

Sem comentários:

Enviar um comentário